19 de outubro de 2006

Mario Quintana

Mario Quintana nasceu em Alegrete, Rio Grande do Sul, no ano de 1906.
No Colégio Militar, em 1919, publicara suas primeiras obras literárias.
Quintana teve como ofício o jornalismo, traduzindo com uma ótima perfeição técnica mais de 130 obras da Literatura Universal.
Mas foi somente no ano de 1940 que lançou seu primeiro livro de poesias, iniciando, assim, sua carreira de poeta-escritor. Em
1966 foi saudado na Academia Brasileira de Letras por Augusto Meyer e Manoel Bandeira, e obteve o Prêmio Fernando Chinaglia da União Brasileira de Escritores pela obra Antologia Poética.
Suas principais obras:
A Rua dos Cataventos
Sapato Florido
Prosa & Verso
Velório sem defunto
Canção do Amor Imprevisto

Eu sou um homem fechado.
O mundo me tornou egoista e mau.
E a minha poesia é um vício triste,
Desesperado e solitário
Que eu faço tudo por abafar.
Mas tu apareceste com a tua boca fresca de madrugada,
Com o teu passo leve,
Com esses teus cabelos…
E o homem taciturno ficou imóvel,
sem compreender nada,
numa alegria atônita…
A súbita,
a dolorosa alegria de um espantalho inútil
Aonde viessem pousar os passarinhos!
Mario Quintana
(1906 - 1994)

Nenhum comentário: